Produtos para bebês e crianças inéditos para mim até pouco tempo

Adicionei novos produtos para bebês e crianças que até pouco tempo eu não sabia que existiam à minha lista original. Todas as novidades foram escolhidas e testadas de maneira independente, sem fins comerciais.

Brinquedo que faz o bebê parar de chorar

O Tomy Baby Sshh realmente faz o bebê parar de chorar. Quando eu li sobre ele na internet não levei muita fé e mesmo assim resolvi dar uma chance. Ele toca dois tipos de melodias com ritmos variados que fazem o bebê se distrair. Tem toda uma ciência por trás disso.

Pode ser que o bebê volte a chorar depois que a música acaba, é claro, mas funcionou bem com a Sofia e com as filhas de duas amigas pra quem nós demos o bonequinho. Que fique claro: eu acho importante que os bebês chorem, é uma maneira que eles têm de se comunicar, mas achei útil ter um brinquedo que ajudasse a fazer a Sofia se acalmar rapidamente em algumas ocasiões.

Saquinho de dormir

O saquinho de dormir substitui o cobertor e garante que a criança passe a noite quentinha, mesmo que se mexa bastante. Geralmente fecha com zíper lateral e botões nos ombros, como o da foto. A Sofia já teve de vários tamanhos e espessuras e até hoje usa quando faz frio.

Cadeirinha Bumbo

A cadeirinha Bumbo pode ser usada a partir dos quatro meses de idade. Ela oferece suporte para que o bebê consiga ficar sentado sozinho.

Cadeirinha pula-pula para bebê

O pula-pula é ótimo para poupar os braços dos pais quando o bebê tá na fissura de pular. Dá para fixá-lo em qualquer porta e ele não ocupa muito espaço quando guardado.

Porta-brinquedos

Encontrei vários móveis e acessórios para armazenar brinquedos que até então eu não conhecia, mas este da Ikea é meu preferido. Ocupa pouco espaço, é barato e comporta bastante coisas. Se for colocar brinquedos pesados, certifique-se de que esteja bem preso ao teto.

Protetor para colchão à prova d’água

O protetor à prova d’água é fininho, vai debaixo do lençol, e mantém o colchão, seja do berço ou da caminha, sequinho.

Cadeirinha de banho para bebê

Eu já tinha ouvido falar das redinhas, mas nunca tinha visto as cadeirinhas para banho. Usamos bastante quando a Sofia era bebê. Achei o produto prático e higiênico. Os contornos da cadeirinha, que vai dentro da banheira, dão suporte ao bebê e permitem que o adulto fique com uma das mãos livres.

Veja aqui uma lista de novidades pra mim na área da alimentação, desde comidas até babadores

Leia também: Brinquedos: O que vale a pena comprar?

Anúncios

É um menino!

É isso mesmo! Nós vamos ter um gurizinho!

Fizemos a ecografia de 20 semanas hoje. Tá tudo bem com o bebê e comigo. Estamos muito felizes!

Leia também: Tô grávida!

A casa nova

Esta é a vista do nosso novo apartamento. Nevou no sábado à noite e na madrugada de domingo. Por causa das baixas temperaturas a neve se conservou.

A mudança foi cansativa, mas mais fácil do que eu antecipava. Tentei relaxar o máximo que pude – é claro que também rolou um pouco estresse – e começamos a desencaixotar só o necessário.

Desde quinta-feira, quando nos mudamos, já conseguimos fazer bastante coisa. Continua tudo meio bagunçado, tem muita coisa pra colocar no lugar e não vejo a hora de ver essa função toda acabar.

Já faz dias que meu guarda-roupa tá bem limitado. Ainda não sei ao certo onde estão meus brincos, minhas tocas de inverno. A vantagem é que não demoro nada pra escolher o que vestir de manhã.

A Sofia se saiu super bem, encarou o processo todo como uma grande aventura. Ela já se acostumou com o novo ambiente e adorou o quarto dela. É impressionante a capacidade de adaptação das crianças, né?

A grande novidade é que agora ela não dorme mais no berço, já tem a cama dela. Eu tinha receio de fazer essa mudança. Atrasei o quanto pude achando que ela iria querer sair, que iria se recusar a dormir, mas acho que ela já estava pronta pro novo estágio.

A Sofia tá dormindo normalmente, continua na rotina dela mesmo com tantas coisas diferentes. Espero que continue assim!

Leia também: Novo endereço

Tô grávida!

É isso mesmo! Achei melhor anunciar a novidade logo no título. Eu não via a hora de dividir essa alegria com vocês. Estamos muito felizes!

Nós achamos melhor esperar até as 12 semanas de gravidez pra espalhar a notícia. Portanto, se tudo der certo, nosso bebê vai nascer em agosto, quem sabe durante as Olimpíadas de Londres.

Tive a sorte de mais uma vez não ter enjôos e me sinto bem fisicamente. Meu humor é que tem oscilado mais do que o normal ultimamente. Não sei se isso é por causa dos hormônios ou porque estamos vivendo um período muito intenso nas nossas vidas. Não vejo a hora acabar com a história da mudança!

A grande diferença com relação à gravidez anterior é que eu não consigo descansar como gostaria. Além disso, ainda não tive muito tempo pra curtir bem essa fase e não li grande coisa sobre o assunto.

Já conversamos com a Sofia sobre o bebezinho mas ela parece ainda não ter entendido muito bem o que está pra acontecer. Imagino que aos poucos a gente vá amadurecendo a ideia.

Em agosto ela vai ter quase três anos. Acho que vai ser uma diferença boa de idade. É interessante ver como ela anda encantada com os bebês que vê na rua, acho que porque ela agora se sente grande.

Daqui pra frente eu tenho ainda mais assuntos pra escrever aqui no blog. Por favor continuem me mandando comentários. Dicas de como encarar essa nova fase são muito bem-vindas. Tenho tanto pra aprender!

Leia também: É um menino!

Sou mãe, e agora?

Quando descobri que estava grávida, saí lendo o máximo que pude sobre o assunto. Eu tinha muitas dúvidas, queria entender o que estava acontecendo com meu corpo e buscava antecipar o que viria pela frente.

Nos últimos meses de gravidez fiz dois cursos para gestantes, um particular e um no hospital onde tive a Sofia. Aprendi muito durante todo esse processo e, assim como a grande maioria das mães, me concentrei muito no parto e não dei muita atenção para o que viria depois.

Acho que nada nos prepara para a grande transformação que é o nascimento de um filho. A chegada da Sofia foi, sem dúvida, o evento que teve maior impacto na minha vida. Pra mim, caiu a ficha quando chegamos em casa com ela pela primeira vez. “É tudo com a gente, e agora?”, eu pensei.

No dia seguinte acordei faminta e quando consegui sentar pra tomar café da manhã a Sofia começou a chorar de fome. Claro, tive que ir amamentar. Eu poderia ter comido enquanto ela mamava, mas eu ainda não tinha prática. Naquele momento eu me dei conta de que, pela primeira vez na minha vida, havia alguém que dependia de mim, alguém que teria prioridade.

Com o passar do tempo comecei a entender o que minha mãe sempre me disse, que quando chegasse a hora eu saberia o que fazer. Aprendi nos cursos para gestantes que não existe experiência mais instintiva na vida de uma mulher do que o parto. Acho que isso também vale para a experiência de ser mãe.

Leia também: O que esperar da maternidade?

Quando tudo é uma aventura

Dia desses a Sofia gritou “iupi” quando ficou sabendo que iria sair com o pai pra comprar pão e leite. Estava ainda amanhecendo, fazia frio e acho que qualquer adulto daria tudo pra ficar em casa naquela hora. Mas pra ela o “passeio” era uma aventura.

Muitas vezes a minha filha melhorou meu humor por abrir um sorrisão de manhã cedo. É lindo de ver como os pequenos conseguem transformar pequenas coisas em motivo de alegria, né? Vocês lembram da história da caixa?

A Sofia fica faceira pelo simples fato de eu dizer que tenho uma surpresa pra ela. Às vezes é só uma fruta que ela gosta que achei no supermercado. Tudo é novidade.

A falta de noção precisa de tempo faz com que os pequenos vivam um dia de cada vez. Sempre que meus pais vêm nos visitar eu nunca aproveito direito o último dia porque sei que vou ficar triste com a despedida. Já a Sofia curte até o final. Ela dá tchau tranquilamente, sem pensar se vai demorar ou não pra eles se reencontrarem.

Pena que essa empolgação tende a ir embora com o passar dos anos. Mas precisa ser assim?

Cenoura no palito era considerada guloseima durante a Segunda Guerra Mundial

Achei essa foto no site da BBC ontem depois de escrever esse post. Ela foi tirada em 1941, tempos difíceis. Me encantei com expressão dessas crianças.

Leia também: Coisas simples da vida