Campanha contra maquiagem para crianças

O grupo inglês Pinkstinks (rosa fede, ou rosa não tá com nada), que luta contra a ditadura do cor-de-rosa, está lançando uma campanha contra maquiagem para crianças. O objetivo é convencer as lojas a pararem de vender cosméticos destinados a meninas abaixo de oito anos.

A nova campanha busca aliviar as crianças da pressão de ter de melhorar a aparência física. Pesquisas mostram aumento no número de casos de jovens com baixa auto-estima e Pinkstinks acredita que a maquiagem contribua para isso já que pressiona as meninas a serem bonitas.

A campanha tem três objetivos:

  • Que as lojas tirem maquiagens das prateleiras com produtos para crianças em idade pré-escolar ou inferior.
  • Que outros produtos, como revistas e sapatos, parem de oferecer maquiagens como brinde.
  • Pinkstinks também espera conscientizar os pais a deixarem de aceitar e comprar este tipo de produto.

Pinkstinks foi criado há quatro anos para tentar conscientizar as pessoas de que é prejudicial estereotipar crianças. De acordo com o site deles, muitos produtos para meninas valorizam a beleza, a passividade, sem falar que estimulam a obsessão por compra, moda e maquiagens – uma definição bem limitada do que significa ser menina.

Desde cedo, as crianças são canalizadas a identificar-se com determinados brinquedos, jogos e outros produtos. Isso, segundo Pinkstinks, limita a gama de brincadeiras e experiências.

As responsáveis pelo grupo são as irmãs Emma e Abi Moore. A ideia de criar Pinkstinks começou numa visita a uma loja de brinquedos, quando Emma viu a filha dizer que os animais de uma fazendinha eram para os meninos, diz ela nesta matéria.

Eu concordo com o que Pinkstinks defende. Não sou contra esse mundo cor-de-rosa que inclui roupas, brinquedos e artigos para decoração, mas acho perigoso começar a estereotipar meninos e meninas mesmo antes de seu nascimento e limitar suas escolhas. Afinal de contas, há muitas opções de cores, de maneiras de se vestir, de brincar, enfim, de agir.

A divisão entre o rosa e o azul é bem forte aqui no Reino Unido, assim como em outras partes do mundo. Muitas vezes a Sofia foi confundida com menino por não estar usando “cores femininas”.

Quanto à maquiagem, nossa experiência é ainda limitada. Ela já me pediu pra passar batom ao me ver na frente do espelho mas se contentou em brincar com um protetor labial.

E vocês, o que acham dessa campanha? Estou curiosa pra saber das experiências de vocês.

Leia também: Furar orelha de bebê? e Meninas e meninos insatisfeitos com a aparência

10 dicas para comprar roupas de grávida

Manter a elegância durante a gravidez pode não ser muito fácil, mas acho que nada justifica encher o guarda-roupa de peças que serão usadas por poucos meses.

Apesar de ter dias em que nada parece cair bem, é possível vestir-se bem com uma boa dose de criatividade, sem que se precise gastar muito. Aqui vão minhas dicas para as grávidas que estiverem em dúvida sobre o que usar:

  • Compre peças chaves como calças jeans, social, casaquinhos e blusas leves. Opte por cores neutras e que combinem entre si.
  • No caso das calças, dê preferência às que tenham elástico próximo à cintura ou que tenham sistema de graduação. Aquelas que cobrem toda a barriga são muito quentes.
  • Pena de aposentar seu jeans favorito? É só prender um elástico de cabelo no botão para expandir um pouco a cintura. Vale para o início da gravidez. Use com blusas compridas para poder cobrir o “truque”.
  • Adquira as roupas à medida em que a barriga for crescendo. Compre roupas de gestante de seu tamanho, não maiores.
  • Muitas mulheres usam roupas do marido ou namorado durante a gravidez. Sinceramente, vi poucas que ficaram bem.
  • Sempre que possível, opte por itens que possam ser aproveitados depois da gravidez como leggins, saias com elástico na cintura, maxi dresses. Também vale blusas wrap, batas e peças em geral que tenham bastante tecido na região da barriga e que estiquem. Use apenas o que for confortável.
  • Procure pegar emprestado peças de gestante de amigas ou familiares. Também considere comprar artigos usados.
  • Invista em bons sutiãs, opte pelos mais confortáveis e com boa sustentação. Não vejo necessidade em comprar pijama, camisola, calcinha ou meia-calça especial para gestantes.
  • Já que o guarda-roupa fica meio limitado, varie bastante os acessórios. Echarpes, brincos, colares e pulseiras renovam qualquer look. Dá pra continuar usando cintos ou faixas, mas acima da barriga.
  • Hoje em dia não é preciso comprar apenas em lojas especializadas em roupas de gestantes. Redes como Top Shop, H&M, GapNew Look, Next e Dorothy Perkins lançam coleções atualizadas para grávidas, com peças como estas usadas por Sienna Miller.

Sienna Miller grávida

Leia também: Grávida ou gordinha e A barriga na segunda gravidez

Dia das Mães na Inglaterra

Domingo que vem, dia 18, é Dia das Mães aqui no Reino Unido – Mother’s Day em inglês. Já faz semanas que o comércio está fazendo forte campanha, como vocês podem imaginar. Um dos comerciais que eu gosto é este da rede inglesa Debenhams:

Veja também: Dia das Mães inglêsComercial dá o que falar

As armadilhas do consumismo

Como é fácil entupir a casa de bugigangas, principalmente quando se tem criança. Com a invenção do plástico e com o aparecimento de novas tecnologias, sem falar da mão de obra barata (ou escrava), muita coisa ficou bem acessível. Somados a isso estão as facilidades dos cartões de créditos e pagamentos parcelados.

Vocês lembram como os brinquedos eletrônicos eram caros antigamente? Nos últimos anos eles se popularizaram muito. Hoje em dia é mais caro comprar artigos artesanais ou brinquedos de madeira. Inverteu tudo.

No fim de semana fui com a Sofia no shopping  e entramos em algumas lojas de brinquedos. Com a crise aqui no Reino Unido, muitas lojas estão fazendo liquidações antes do Natal.

Confesso que fiquei tentada a aproveitar as promoções, mas resisti. A Sofia testou e gostou de vários brinquedos mas não levamos nenhunzinho. Me dei conta de que ela não precisava ganhar presente poucos dias antes do Natal. Também aproveitei pra tentar a ensinar à ela que nem sempre ela vai poder levar tudo que quer.

Na idade dela é ainda é fácil dizer não em situações como essa, mas consigo me imaginar daqui a alguns anos tendo que gastar meu português antes de sair de uma loja de mãos vazias.

Compramos o presente da Sofia pela internet, que é mais tranquilo e barato. Nossa ideia original era dar um livro e uma fantasia de algum personagem. Encomendamos o livro, mas nos rendemos a um laptop de criança que custou menos do que a maioria das fantasias. Essa lógica não faria sentido pra mim anos atrás.

Maior árvore de Natal de Lego do mundo na estação de St Pancras, em Londres

A maior loja de brinquedos do mundo

Essa semana eu visitei a Hamleys, que diz ser a maior loja de brinquedos do mundo. A matriz deles, na Regent Street, centro de Londres, recebe cerca de 5 milhões de visitantes por ano. São 5.000 m² divididos em sete andares.

Leia também: London Eye com crianças e A primeira visita à casa da rainha