Bebês entendem tom de voz mesmo não sabendo palavras

Uma nova pesquisa realizada por cientistas britânicos comprova o que nós pais já sabíamos: os bebês já entendem o que dizemos mesmo ainda não sabendo a língua.

Os pequenos compreendem o tom de voz da mãe, concluiu o estudo. Aqueles que participaram da pesquisa reagiram da mesma forma quando a mãe falou em inglês ou em grego, relata matéria do jornal Daily Telegraph. Eles observaram suas mães executando ações com brinquedos usando as palavras “opa” e “lá” nas duas línguas, mas sempre no mesmo tom de voz.

A pesquisa, conduzida pela Universidade de Cardiff, País de Gales, envolveu 84 bebês entre 14 e 18 meses de idade. Nenhum deles havia sido exposto à língua grega antes.

A coordenadora da pesquisa, Merideth Gattis, diz que nos primeiros meses os pais não precisam se preocupar tanto com o que dizem, mas sim prestar atenção no tom de voz.

Segundo ela, mesmo palavrões ou raiva poderiam ser disfarçados pelo tom de voz. Ah, ela também já deve ter visto casais se alfinetando na frente do filho como se estivessem se elogiando!

Leia também: Comunicação entre pais e filhos

Anúncios

Crianças bilíngues

É claro que criar filhos no exterior tem uma série de desvantagens, mas hoje vou escrever sobre uma das principais vantagens: a exposição a línguas.

Adoro ver os pequenos falando mais de um idioma. É impressionante a facilidade que eles têm de adquirir o sotaque local, de trocar de uma língua pra outra com a maior naturalidade.

Tem uma série de estudos sobre os benefícios que isso traz ao cérebro, alguns dizem que até previne o mal de Alzheimer. Mas não quero entrar nesse mérito hoje.

Livros em inglês e português

Aqui em Londres, como vocês sabem, há muitos imigrantes e várias crianças têm pais, muitas vezes babás, de países diferentes. Lembro de ver um menino de uns três anos na pracinha falando japonês com a mãe, espanhol com o pai e inglês com os amigos, numa boa.

Nosso vizinho de quatro anos fala inglês e russo e, como outros bilíngues e poliglotas, é super aberto a outras línguas. Ele usa algumas palavras que os amiguinhos romenos ensinaram a ele e às vezes repete o que eu falo em português.

Por outro lado, já vi pais frustrados com o fato de o filho se recusar a falar a língua do país de origem da família. Também já conheci gente que adotou o inglês como idioma único.

A Inglaterra aceita o multiculturalismo e a orientação que o governo dá aos pais é que preservem sua língua materna. Nós falamos português em casa e usamos inglês na presença de pessoas que não entendem a língua.

Não queremos criar um geniozinho, mas procuramos expor a Sofia ao máximo à essa diversidade. Uma amiga nossa conversa em espanhol com ela e já vi pessoas de outras culturas se dirigindo à Sofia na língua deles. O engraçado é que ela presta atenção.

Se tá funcionando? Acho que é cedo pra tirar conclusões já que a Sofia tem pouco mais de dois anos. O que posso dizer é que ela fala as duas línguas e parece já ter entendido bem quando usar cada uma delas.

Acho que proporcionar à criança o contato com outras línguas não é privilégio de quem mora no exterior. Sempre dá pra criar oportunidades. Assistir a um desenho animado ou clipe de música infantil de outro país na internet, por exemplo, pode ser bem divertido.