Vendo e revendo o primeiro filme

Agora posso dizer que entrei para o clube das mães que já assistiram ao mesmo filme várias vezes por causa dos filhos. Faz mais ou menos um mês que Rio está “em cartaz” na nossa casa.

O DVD nunca foi tão requisitado como nos últimos dias. É que a Sofia perdeu um pouco da disposição por causa de uma virose, tadinha.

Gostei do filme e da trilha sonora, embora as músicas fiquem na minha cabeça muito mais tempo do que eu gostaria.

A Sofia ganhou o DVD do filme de presente da tia Maria em fevereiro mas levou um tempinho para começar a apreciá-lo. Antes disso, ela costumava ver só programas infantis mais curtos e desenhos animados.

Assistir ao mesmo episódio várias vezes é que não é novidade. Começamos com trechos breves do Rio e agora, se deixássemos, ela provavelmente assistiria tudo de uma vez só.

Veja também: Peppa Pig: o desenho animado favorito e Waybuloo e Tinga Tinga, desenhos animados da TV inglesa

Fumar atrás da porta não protege as crianças, diz nova campanha

Fumar mesmo atrás de uma porta ou janela não protege as crianças dos efeitos nocivos do cigarro, mostra o chocante comercial anti-tabagista lançado pelo governo britânico hoje.

O fumo passivo aumenta os riscos de doenças pulmonares, miningite e morte infantil súbita, também conhecida como morte do berço.

Cerca de dois milhões de crianças no Reino Unido são expostas à fumaça de cigarro em casa, e muitas mais são expostas fora de casa, de acordo com pesquisa do Royal College of Physicians. Isso resulta em mais de 300.000 consultas médicas de crianças a cada ano e 9.500 visitas a hospitais, o que custa ao sistema de saúde público 23 milhões de libras (R$ 67,2 milhões) por ano.

Uma pesquisa feita pelo departamento de saúde inglês involvendo 1.000 jovens indicou que 82% deles queriam que seus pais parassem de fumar na frente deles em casa e 78% gostariam que não fumassem mais no carro, diz matéria da BBC.

Leia também: O que pode e o que não pode fazer durante a gravidez

O açúcar na dieta das crianças

Aproveitei a visita da minha sogra, Cristina Lemos, médica de família e educadora popular em saúde, pra fazer uma entrevista rápida sobre o açúcar na dieta dos bebês e crianças:

Frutose é um açúcar natural

É mesmo necessário controlar a quantidade de açúcar que os pequenos ingerem?

Sim. Nós podemos desenvolver precocemente hábitos que podem ser danosos à nossa saúde. É importante entender que o paladar é algo que se educa. Os pais têm grande influência nisso, portanto têm grande responsabilidade.

É claro que isso não deve se transformar numa neura ou gerar atitudes anti-sociais. A comida é o centro de muitos eventos sociais em nossas vidas e é importante participar deles. Não se deve proibir, mas sim comedir, criar uma consciência, educar. Eu deixaria meu filho comer bolo e tomar refrigerante numa festa de aniversário, mas isso não quer dizer que eu incluiria isso na merenda dele ou em nossa rotina diária.

Quais são as alternativas ao açúcar?

Frutas, que são ricas em frutose – o açúcar que a natureza nos oferece. É bom servir pratos variados, coloridos. Cuidar dá trabalho, mas vale a pena. Depois que isso vira hábito fica tudo mais fácil.

O alimento ideal nos primeiros meses de vida é o leite materno, que não é doce nem salgado. Isso ajuda a mãe a estabelecer a base da dieta do filho. Mesmo mais adiante, o açúcar não precisaria ser adicionado. Encontramos ele na melancia e na batata, por exemplo.

Na nossa cultura os alimentos cumprem muitas funções. Mais do que nutrir, eles às vezes são usados para nos confortar, e temos que observar isso. No mundo ocidental nós vemos o sal como o grande vilão, mas o açúcar também é.

Além da obesidade, quais são as consequências de uma dieta rica em açúcar?

Diabetes, pressão alta e o desenvolvimento precoce de gorduras presentes no sangue. O açúcar em excesso também pode causar dislipidemias, que são alterações do colesterol e triglicerídios. Essas alterações no metabolismo podem resultar em depressão ou então comprometer a capacidade de aprendizado. Há trabalhos científicos que demonstram a relação do desenvolvimento de compulsões e dieta rica em açúcar.

Uma alimentação não adequada nos primeiros anos de vida também pode causar alterações genéticas, ou seja, as próximas gerações podem nascer com predisposição a esse tipo de paladar e podem ser mais suscetíveis a diabetes, pressão alta e obesidade.

Leia aqui amanhã uma lista de sugestões de lanchinhos saudáveis.