Bebês entendem tom de voz mesmo não sabendo palavras

Uma nova pesquisa realizada por cientistas britânicos comprova o que nós pais já sabíamos: os bebês já entendem o que dizemos mesmo ainda não sabendo a língua.

Os pequenos compreendem o tom de voz da mãe, concluiu o estudo. Aqueles que participaram da pesquisa reagiram da mesma forma quando a mãe falou em inglês ou em grego, relata matéria do jornal Daily Telegraph. Eles observaram suas mães executando ações com brinquedos usando as palavras “opa” e “lá” nas duas línguas, mas sempre no mesmo tom de voz.

A pesquisa, conduzida pela Universidade de Cardiff, País de Gales, envolveu 84 bebês entre 14 e 18 meses de idade. Nenhum deles havia sido exposto à língua grega antes.

A coordenadora da pesquisa, Merideth Gattis, diz que nos primeiros meses os pais não precisam se preocupar tanto com o que dizem, mas sim prestar atenção no tom de voz.

Segundo ela, mesmo palavrões ou raiva poderiam ser disfarçados pelo tom de voz. Ah, ela também já deve ter visto casais se alfinetando na frente do filho como se estivessem se elogiando!

Leia também: Comunicação entre pais e filhos

As funções da música

Dois dos CDs prediletos

A Sofia tá com um repertório e tanto. Volta e meia ela lembra de alguma música e logo pede: “canta, mamãe!” Posso dizer que não tenho mais vergonha nenhuma de cantar em público. Será que tô perdendo o senso do ridículo?

Bom, mas quero dizer que a música sempre foi importante na minha vida, e depois da chegada da Sofia ela passou a ter um papel ainda mais forte.

Quantas vezes eu cantei pra minha filha durante a fase das cólicas. Se não fazia ela parar de chorar, pelo menos servia para me acalmar e a pensar melhor no que fazer para tentar ajudá-la. E é impressionante como nessas horas a gente começa a resgatar músicas que estavam guardadas na memória há muito tempo, né?

Durante a minha licença maternidade eu fui a muitos grupos onde mães cantam para seus bebês. Isso é super comum em Londres. É ótimo pra conhecer gente e os pequenos se divertem. Naqueles encontros, enquanto a maioria das mães relembravam as canções da infância delas, eu aprendia um novo repertório.

Lembro que muita gente me dizia como esse tipo de atividade era importante para os bebês. Vi o resultado meses depois, quando a Sofia começou a cantar, do jeitinho dela, aquelas mesmas musiquinhas. Mesmo sem articular as palavras, essa virou mais uma maneira de nos comunicarmos.

É impressionante como ela evoluiu. Hoje em dia nós não apenas cantamos como também dançamos juntas. Twinkle Twinkle Little Star foi uma das primeiras que aprendemos. Ela continua tocando aqui em casa.

Leia também: O primeiro contato com a música