Plataforma para carrinho

Várias ideias e pouco tempo pra sentar na frente do computador. Vamos de foto então:
Nós continuamos a usar bastante o carrinho, só que agora a Sofia vai na plataforma, dando lugar pro Lucas. O bom é que ela encarou a mudança como um “upgrade”. É uma ótima opção pra quem precisa levar dois e não quer comprar um carrinho duplo.

Anúncios

Brinquedos: O que vale a pena comprar?

Quais são os melhores brinquedos para os primeiros anos de vida da criança? Que pai ou mãe nunca ouviu ou então nunca se fez essa pergunta? Faz um tempo que venho pensando nisso e resolvi reunir aqui os cinco eleitos na nossa casa.

Os brinquedos abaixo são os mais usados, aqueles que estão sempre em volta. Fazendo a lista me dei conta de que todos eles têm duas características em comum: são versáteis e baratos.

Todos foram escolhidos e testados de maneira independente, sem fins comerciais. Coloquei eles em ordem de preços que achei na internet:

Carrinho de boneca

A Sofia começou a brincar com carrinho de boneca quando mal sabia caminhar. O dela é usado pra transportar brinquedos e tudo mais que couber nele, inclusive ela própria. Ele é dobrável, fácil de guardar e de levar pra rua. Preço: 5 libras (R$ 15,90).

Livro com texturas Baby Touch Quack Quack

Quack! Quack! foi um dos primeiros livros que a minha filha ganhou e mesmo agora, já tendo passado um pouco da fase, muitas vezes abre ele para sentir as texturas e apontar para os animais. Preço: 5,79 libras (R$ 18,42).

Copos de empilhar

Nós compramos os copos de empilhar antes de a Sofia conseguir brincar com eles. Foi porque eles foram eleitos como o melhor tipo de brinquedo educativo num programa de televisão aqui na Inglaterra. É possível brincar com os copos de várias maneiras, em vários níveis, sem falar que dá para colocar água ou areia neles. Preço: 6 libras (R$ 19,08).

Tatame infantil

Existem vários tipos de tatames, com números, letras e figuras variadas. Os nossos já foram montados e desmontados diversas vezes, em diferentes cantos da casa. Brincamos com eles ou sobre eles. As peças são de espuma, fáceis de limpar. Preço: 9,98 libras (R$ 31,75).

Barraca de criança

Eu adorava a barraquinha que eu e a minha irmã tínhamos no nosso quarto quando crianças e com a Sofia não é diferente. Essa da foto é bem simples, leve e dobrável. Para que fique mais firme, montamos parte do tatame dentro dela. Preço: 10,49 libras (R$ 33,37).

Leia também: Produtos para bebês e crianças inéditos para mim até pouco tempo

London Eye com crianças

Andei na London Eye pela primeira vez essa semana. Eu nunca tinha feito questão de ir, achava que era daqueles passeios pra turistas que não valia a pena fazer, mas me surpreendi. É muito bonito ver Londres das alturas.

Eu também tinha dúvidas de que este seria um bom passeio pra se fazer com criança pequena, mas não tivemos problemas. A Sofia ficou impressionada com a experiência.

As cápsulas da imensa roda gigante são espaçosas, nada claustrofóbicas. Elas tem um banco no meio e as pessoas podem circular livremente em volta. Nós ficamos junto com um grupo pequeno, o que permitiu que as crianças ficassem mais à vontade. É possível levar carrinho desde que esteja dobrado.

O passeio dura meia hora, tempo que a roda leva para dar uma volta. Ela gira devagar, permitindo que a gente consiga apreciar bem a vista e fotografar com calma. Como dá pra ver pelas fotos abaixo, nós fomos num dia chuvoso. A paisagem cinzenta é característica de Londres, não adianta.

Apesar das filas, conseguimos comprar os ingressos e embarcar em poucos minutos. Antes do passeio na roda, a gente assiste a um vídeo 4D que é bem interessante. A Sofia adorou “ir ao cinema” de óculos. Aqui tem informações sobre os ingressos.

Leia também: Estátua de menino em vez de herói de guerra em LondresA primeira visita à casa da rainha

Carrinho vale para os grandes

Carrinhos ficam em espaço especial nos ônibus

É comum em Londres ver crianças já grandinhas em carrinhos, às vezes de até cinco anos. A ministra da saúde chegou a pedir aos pais que incentivem aqueles acima de três a caminhar.

Uma em cada cinco crianças entre 10 e 11 anos na Inglaterra é obesa e o problema geralmente começa antes de atingirem idade escolar.

É triste ver crianças com preguiça de andar, não pretendo empurrar uma grandalhona, mas consigo me colocar no lugar dos pais que fazem isso. A Sofia tem mais de dois anos, faz tempo que não é mais bebê, e ainda vai no carrinho quando eu preciso ir pro centro, por exemplo. É mais rápido, não corro o risco de ter que levá-la no colo e assim ainda posso carregar mais coisas.

A gente vê muitos carrinhos nos ônibus e trens em Londres. Eles ficam na área destinada às cadeiras de rodas, desde que ela esteja livre. O espaço nos trens é tranquilo, claro, se eles não estiverem lotados de passageiros. Nos ônibus os motoristas permitem apenas dois carrinhos abertos, acima disso tem que dobrar.

O acesso nos ônibus é tranquilo porque eles são praticamente do mesmo nível que as calçadas. O principal desafio são as escadas nas estações de metrô – grande parte delas não têm elevador. Aí a gente tem que contar com a ajuda das outras pessoas ou então carregar nos braços mesmo. Imaginem só quem anda de cadeira de rodas.

Ser mãe é padecer na malhação

Vi a frase acima um tempo atrás no Facebook e volta e meia ela me vem a cabeça. Como a maioria das mães, eu faço uma boa dose de exercícios to-do san-to di-a.

Desde que a Sofia nasceu eu nunca mais botei meus pés numa academia, e olha que fiz hidroginástica quase até o final da gravidez. Agora é um tal de caminha, senta, levanta, sem falar do peso que se carrega. Tá bem, eu não exercito áreas como o abdômen, mas a gente adquire uma resistência, hein?

Toda vez que me entregam folheto de academia eu fico com vontade de perguntar se eles também oferecem spa, mas acho melhor nem dar muito papo.

Tem sites na internet que dizem que se pode queimar até 200 calorias por hora empurrando carrinho de bebê. Claro, isso varia de acordo com o peso da mãe, da criança, do ritmo de caminhada e inclinação do terreno.

Aqui na Inglaterra tem grupos de mães orientados por professores que fazem caminhadas e corridas ao ar livre usando carrinho de bebê. É ótimo pra quem não tem com quem deixar o filho ou então não quer pagar pra alguém cuidar.

Quando eu estava em licença maternidade eu planejava participar das aulas, só que acabei me envolvendo em outros grupos e deixei de lado. Conheci mulheres que fizeram e acharam bem intenso. E disseram que os bebês adoram o passeio.

Dá pra queimar até 200 calorias por hora empurrando carrinho de bebê

Leia também: Cuidar de filho pequeno cansa?