Esperando o bebê: trilha sonora

“Everyday it’s getting closer.”

Formato da barriga: “É um menino?”

Eu já perdi as contas de quantas pessoas olharam para a minha barriga de grávida e afirmaram que estou esperando um menino. A justificativa é o formato: dizem que a barriga está pontuda em vez de larga. Eu acho a explicação um tanto vaga, mas entendo o que querem dizer.

Embora não haja fundamento científico, preciso admitir que acho curioso ver todo mundo adivinhar o sexo do bebê – isso se a pessoa que fez a ecografia estiver mesmo certa, né?

Não sei se é de tanto ouvir isso, mas estou começando a achar que desta vez a barriga está diferente, mesmo com o bebê na mesma posição que a Sofia estava nesta etapa final da gravidez.

Leia também: Semelhanças e diferenças entre a primeira e a segunda gravidez e A barriga na segunda gravidez

Tempo bom para estar grávida

Cheguei ontem no trabalho com um cabelão estilo Gal Costa nos anos 70

Eu vou ter um bebê no auge do verão e provavelmente não vou sofrer por causa do calor. Durante as férias na Espanha, quando eu dizia que o nascimento está previsto pra agosto, verão no hemisfério norte, as pessoas lamentavam por mim até descobrirem que eu moro em Londres.

Faz dias que está chuvoso e friozinho aqui. Na verdade, esta é mais uma primavera em os apresentadores de previsão do tempo usam bem mais a expressão “miserable weather” do que “glorious sunshine” (algo como tempo miserável e sol glorioso). Recentemente houve recorde de chuva e de vento e a estimativa é que o tempo permaneça instável nas próximas semanas.

Seu eu pudesse escolher, Londres  teria muito mais dias de sol e de temperaturas amenas, mas estou tentando enxergar alguma coisa positiva nesse tempo nublado que parece não ter fim. Espero estar enganada, mas se for como a minha gravidez anterior eu devo suar e me sentir inchada em poucas ocasiões.

A Sofia nasceu em setembro e lembro que quase não usamos um ventilador que compramos antecipando o calor que eu iria passar. Claro, eu sentia mais do que as outras pessoas por causa do meu barrigão e o metrô parecia um forno nos dias de temperaturas mais altas, mas isso não durou muito. Acabamos nos desfazendo do ventilador logo que chegou o outono pra liberar espaço na casa.

Semelhanças e diferenças entre a primeira e a segunda gravidez

Muitas vezes me perguntam se a segunda gestação é muito diferente da primeira e se enjoei mais esperando menino ou menina. Bem, eu não tenho respostas definitivas nem quero servir de referência – até porque estamos falando de um tipo de experiência muito pessoal – mas achei que seria interessante reunir aqui as minhas impressões já que o assunto gera curiosidade:

Diferenças:

  • O tempo parece passar mais rápido. Já estou no sexto mês, com 26 semanas, pra ser mais precisa
  • Tô menos concentrada na gravidez do que da primeira vez. Às vezes esqueço em que semana estou
  • Tenho menos tempo para descansar
  • Levanto mais peso
  • Resisti alguns meses sem comer sushi na primeira gestação. Desta vez, liberei geral
  • Não pretendo fazer curso para pais e mães desta vez
  • A barriga de grávida começou a aparecer mais cedo
  • Tirei poucas fotos até agora
  • Comecei a sentir os movimentos do bebê antes
  • Não comprei roupas de gestante, mas tenho mais do que da primeira vez. Guardei peças antigas e ganhei várias da minha irmã
  • Estamos levando mais tempo para escolher o nome do nosso menino
  • Vamos comprar bem menos coisas para o enxoval
  • Idealizo menos o parto
  • Estou mais experiente, me sinto menos ansiosa e mais confiante

Semelhanças:

  • A barriga tem o mesmo formato do que de quando eu esperava a Sofia, contrariando o que dizem sobre as diferenças entre gestação de menino e de menina
  • Eu achava que a barriga estava crescendo mais rápido do que da primeira vez, mas na consulta da semana passada foi confirmado que as medidas estão dentro dos padrões
  • Tive a sorte de não ter enjoos em nenhuma das vezes
  • Me mantenho ativa. Só que agora me exercito com a Sofia em vez de ir na academia
  • Tive câimbras nas pernas algumas vezes
  • Tenho apenas uma vaga ideia de como será minha vida depois que o bebê nascer

Leia também: Grávida ou gordinha? e “Mamãe tem um bebê na barriga”

“Mamãe tem um bebê na barriga”

Ao me ver na saída da escolinha essa semana, a Sofia apontou pra mim e disse: “this is my mummy! Tem um bebê na barriga dela!”

Ela tem nos dado cada vez mais demonstrações de que realmente entende o que está acontecendo e o que está por vir.

Contei pra Sofia que estava esperando um bebê logo depois de fazer o teste de gravidez. Lembro que nos abraçamos e ela ficou quietinha, apenas sorriu. Um tempo depois, quando falei de novo que estava grávida, ela me disse que também tinha um bebê na barriguinha dela.

Acabei achando que ela era muito pequena para entender o fato de que vai ter um irmãozinho, como contei aqui. Mas hoje vejo que amadurecemos a ideia e, sim, ela sabe bem o que se passa.

Crianças pequenas continuam chamando a atenção da Sofia e isso nos ajuda a incluir o bebezinho nas nossas conversas. Nós imaginamos como ele vai ser e o que vamos fazer juntos.

Leia também: Semelhanças e diferenças entre a primeira e a segunda gravidez e O que esperar da maternidade?

As cinco piores dicas para pais

Criança exausta: mais chances de xiliques

Eu já pedi muitos conselhos sobre maternidade, consultei livros, revistas, folhetos, sites e blogs a respeito de gestação, bebês e crianças. Tirei uma série de dúvidas e ainda tenho muito pra aprender.

Só que no meio disso tudo vieram muitas orientações que, pra mim, são inúteis, equivocadas ou então praticamente impossíveis de colocar em prática.

Ouvi várias opiniões desnecessárias desde que engravidei pela primeira vez. Aliás, acho que ouvir pitacos faz parte da maternidade. Como em outras áreas da vida, tento absorver só aquilo que me interessa.

Reuni aqui algumas pérolas. Junto vão as minhas respostas, mesmo que só em pensamento:

  1. “Não se esqueça de fazer movimentos circulares ao escovar os dentinhos do bebê”. Até hoje não consegui fazer isso.
  2. “Ela praticamente não dormiu durante o dia e dá pra ver que está exausta. Hoje à noite vai dormir super bem”. Não, provavelmente vai ter xiliques e uma noite agitada.
  3. “Ah, não faz mal dar um paracetamol no final da tarde. A criança fica calminha”. Claro, ela tá drogada.
  4. “Pra que sofrer de dor de parto? Faz uma cesariana”. Ahã, e se recuperar de uma cirurgia, ainda mais com um recém nascido, é tranquilo, né? Isso sem falar dos benefícios do parto normal.
  5. “Aproveite para dormir enquanto a criança tira uma soneca”. Não conheço uma mãe que não use pelo menos parte do “intervalo” para colocar seus afazeres em dia.

E vocês, quais foram os piores conselhos que já leram ou ouviram por aí?

Leia também: Encantadora de bebês e outros livros para pais

10 dicas para comprar roupas de grávida

Manter a elegância durante a gravidez pode não ser muito fácil, mas acho que nada justifica encher o guarda-roupa de peças que serão usadas por poucos meses.

Apesar de ter dias em que nada parece cair bem, é possível vestir-se bem com uma boa dose de criatividade, sem que se precise gastar muito. Aqui vão minhas dicas para as grávidas que estiverem em dúvida sobre o que usar:

  • Compre peças chaves como calças jeans, social, casaquinhos e blusas leves. Opte por cores neutras e que combinem entre si.
  • No caso das calças, dê preferência às que tenham elástico próximo à cintura ou que tenham sistema de graduação. Aquelas que cobrem toda a barriga são muito quentes.
  • Pena de aposentar seu jeans favorito? É só prender um elástico de cabelo no botão para expandir um pouco a cintura. Vale para o início da gravidez. Use com blusas compridas para poder cobrir o “truque”.
  • Adquira as roupas à medida em que a barriga for crescendo. Compre roupas de gestante de seu tamanho, não maiores.
  • Muitas mulheres usam roupas do marido ou namorado durante a gravidez. Sinceramente, vi poucas que ficaram bem.
  • Sempre que possível, opte por itens que possam ser aproveitados depois da gravidez como leggins, saias com elástico na cintura, maxi dresses. Também vale blusas wrap, batas e peças em geral que tenham bastante tecido na região da barriga e que estiquem. Use apenas o que for confortável.
  • Procure pegar emprestado peças de gestante de amigas ou familiares. Também considere comprar artigos usados.
  • Invista em bons sutiãs, opte pelos mais confortáveis e com boa sustentação. Não vejo necessidade em comprar pijama, camisola, calcinha ou meia-calça especial para gestantes.
  • Já que o guarda-roupa fica meio limitado, varie bastante os acessórios. Echarpes, brincos, colares e pulseiras renovam qualquer look. Dá pra continuar usando cintos ou faixas, mas acima da barriga.
  • Hoje em dia não é preciso comprar apenas em lojas especializadas em roupas de gestantes. Redes como Top Shop, H&M, GapNew Look, Next e Dorothy Perkins lançam coleções atualizadas para grávidas, com peças como estas usadas por Sienna Miller.

Sienna Miller grávida

Leia também: Grávida ou gordinha e A barriga na segunda gravidez

Nomes de bebês: cresce número de pais arrependidos da escolha

Livro de nomes de bebês

Tenho visto recentemente matérias na imprensa sobre o aumento do número de pais que se arrependem do nome que deram ao filho.

A maioria quer achar um nome clássico mas que também seja legal, ou então original sem que seja estranho. Nomes de grande apelo geralmente tornam-se populares. Ou seja, é praticamente impossível reunir todos esses critérios.

Não tem problema dar uma olhadinha num daqueles livros com milhares de nomes de bebês, mas considerar cada um deles pode resultar em frustração, de acordo com essa matéria. Mais opções muitas vezes aumentam as chances de arrependimentos, dizem os psicólogos.

No blog The baby name wizard, Laura Wattenberg afirma que hoje em dia se busca o nome perfeito. Muitas vezes os pais se frustram porque o nome exclusivo do bebê é difícil de pronunciar, porque descobrem alguma associação negativa com o nome ou então porque acham que outro nome seria mais adequado à personalidade do filho.

Um dos motivos dessa pressão toda é que há evidências de que o nome pode influenciar a vida de uma pessoa. Um estudo do Centro Nacional de Pesquisas Econômicas (National Bureau of Economic Research), nos Estados Unidos, constatou que currículos com “nomes de brancos” são mais propensos a receber ligações de quem trabalha em recursos humanos do que aqueles com nomes de origem africana. Além disso, meninos com nomes femininos, por exemplo, tendem a ter mais problemas de disciplina na escola, provavelmente relacionados a provocações e insegurança.

Eu não me arrependo do nome que demos à Sofia. E vocês, acham que acertaram na escolha?

É verdade que Sofia é comum, mas continuo achando bonito e adequado à ela. Se por um lado às vezes há dúvidas quanto à grafia, por outro todo mundo reconhece ele de cara. É um clássico, quer dizer “sabedoria” em grego, e pra mim e pro o Rodrigo tem um significado que falei no post sobre tendências de nomes de bebês para 2012.

Leia também: Os 12 famosos que mais influenciaram nomes de bebês e Escolhendo o nome do bebê

É um menino!

É isso mesmo! Nós vamos ter um gurizinho!

Fizemos a ecografia de 20 semanas hoje. Tá tudo bem com o bebê e comigo. Estamos muito felizes!

Leia também: Tô grávida!

Grávida ou gordinha?

Quem nunca ficou em dúvida antes de parabenizar uma colega de trabalho ou então uma vizinha pela gravidez? Para tentar evitar essa saia justa, o serviço de transporte público em Londres distribui para grávidas bótons que avisam que há “baby on board” (bebê a bordo).

É principalmente por medo de confundir uma futura mamãe com uma gordinha que muita gente não cede seu lugar em ônibus e trens. Uma pesquisa revelou que 84% das gestantes ficam em pé no transporte público regularmente aqui em Londres principalmente por causa disso.

Tanto agora como na minha primeira gravidez, estou tendo uma experiência positiva. Além dos “cavalheiros”, muitas mulheres já me ofereceram assento.

O principal desafio para quem precisa sentar – e isso vale para idosos, deficientes físicos e pessoas com criança de colo – é chamar atenção dos outros passageiros. A maioria das pessoas lê durante as viagens e não repara o que acontece a seu redor.

No final da minha primeira gravidez, uma vez uma mulher que estava em pé ao meu lado xingou o rapaz sentado na nossa frente por não ter cedido lugar pra mim.

Confesso que daquela vez, assim como em muitas outras vezes, fiquei constrangida em fazer com que os outros levantassem por minha causa. Mas tento sempre aceitar para que os outros passageiros entendam que a gentileza é importante.

Leia também: A barriga na segunda gravidez e Semelhanças e diferenças entre a primeira e a segunda gravidez