Os primeiros dias na creche

A Sofia começou a ir na creche essa semana. O período de adaptação, que iniciou na terça-feira, terminou ontem. No primeiro dia ela ficou apenas uma hora e ontem passou praticamente a tarde toda lá.

Ela gostou tanto que desde o primeiro dia não queria ir embora de lá . O pessoal da creche elogiou bastante ela. Chegaram a dizer que gostariam que todas as crianças tão fáceis quanto. E nós ficamos super orgulhosos, é claro.

Tomara que a Sofia continue entusiasmada na semana que vem, quando começa pra valer. Também espero me manter tranquila. Me sinto muito mais confiante do que na primeira vez que deixei ela para ir trabalhar.

Vamos continuar com o mesmo esquema: ela vai duas tardes por semana e o resto do tempo fica comigo ou com o Rodrigo. É puxado, mas nós dois tentamos passar o máximo de tempo com ela.

Desde que voltei ao trabalho, quando a Sofia completou um ano, nós optamos por childminders. São pessoas que cuidam de crianças na própria casa.

Lembro de ver no Brasil cuidadores de crianças em áreas mais pobres. Aqui isso é bem comum e é regulamentado.

Childminders devem ser registrados, precisam passar por treinamento e a casa deles precisa obedecer certas regras de higiene e segurança. De tempo em tempo eles recebem visitas para serem avaliados e os relatórios sobre os serviços deles pode ser acessados pelo público.

Os preços variam muito. Nós pagávamos praticamente o mesmo que vamos pagar para a creche agora.

Achamos melhor começar com uma childminder em vez de creche porque gostamos da ideia de a Sofia continuar num ambiente de casa e receber um tratamento mais pessoal. Mas agora que ela já tem mais de dois anos achamos que ela precisa interagir com mais crianças e participar de atividades mais variadas.

Pais que têm crianças em creches geralmente dizem que elas vêm pra casa cheia de novidades, né? Vamos ver como vai ser com a Sofia.

Veja também: Vídeo no Mamatraca sobre a adaptação da Sofia na creche

Anúncios

12 respostas em “Os primeiros dias na creche

  1. A C adora a escolinha, alias ela e as outras criancas as vezes querem ficar mais tempo heheheeh
    Com certeza ela vai adorar.
    Eu ateh pensei em childminder, mas nao achei nenhuma q eu gostasse perto de casa, entao a melhor opcao foi a escolinha q sempre foi a escolha inicial .
    bj

    • Que amor! A Sofia continua curtindo. A vantagem que vejo agora é que a creche oferece mais atividades do que a childminder, ideal pra essa fase.

      Bj!

  2. Olá Cecília!
    Este tema da creche interessa-me muito. O meu filho tem 1 ano e meio e a minha ideia inicial sempre foi que ele ficaria em casa comigo ou com alguém da nossa confiança até ter 3 anos. No entanto começámos a notar que ele mostra muito interesse em brincar com outras crianças, já para não falar que é um bebé high need com muita energia para gastar. rsrsrs Então também estamos a pensar em colocá-lo numa creche duas vezes por semana, para ele brincar com outros meninos e fazer mais atividades. Ainda andamos no processo de procura, mas esperamos em breve encontrar uma creche que nos agrade e principalmente que agrade ao nosso filho. :)

    • Olá Maria,

      Nós também tentamos ficar o máximo com a Sofia e pra nós duas tardes por semana tá dando super certo. Ela tem gostado bastante de ir pra creche e reparo que ela interage bem com as outras crianças e com as professoras. Ela volta pra casa cheia de novidades e bem cansada.

      Espero que esse processo de procura esteja sendo tranquilo pra vocês. No nosso caso, mais importante do que verificar se a creche ou a childminder oferecia tudo que queríamos, foi sentir se o lugar era ideal para a Sofia. Foram escolhas bem instintivas. Vale a pena levar a criança junto na visita pra ver como ela se sente no novo ambiente.

      Boa sorte!

      Beijos,
      Cecília

      • É isso mesmo Cecília, escolhas instintivas! A nossa ideia é mesmo levar o nosso filho connosco e ver e sentir as energias. rsrsrsrs Se ele gostar então está ótimo para nós. ;)

        O processo de escolha poderia ser um pouco mais simples. Existem creches bem pertinho da nossa casa, o problema é que só aceitam crianças a partir dos 2 ou dos 3 anos. Vamos ter que procurar uma creche particular, mais longe e aí é a chatice de não poder ir levá-lo e buscá-lo a pé. Pertinho de casa era bem melhor, até porque se fosse preciso ir lá buscá-lo a meio da tarde, chegava rapidinho. Mas vamos ver como as coisas correm.

        Ai eu espero que ele gaste muita energia lá. rsrsrsrs Acima de tudo que ele se sinta feliz e seguro.
        Ainda bem que com a sua filha está tudo a correr bem. :)

        Já agora boa sorte na mudança de casa, nós também mudámos recentemente e é um stress sim. rsrsrsrsrs Eu entendo-a bem Cecília.
        Beijinhos

  3. Pingback: Mamatraca | Mãe a mil

  4. Pingback: Mudando de nível na escolinha | Mãe a mil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s